Home
Cresce interesse por práticas integrativas durante pandemia

Cresce interesse por práticas integrativas durante pandemia

Publicado em: 14/10/2021 - Porto Alegre - RS - Por: DINO

Em 2020, 61,7% dos brasileiros buscaram terapias alternativas, de acordo com a pesquisa ‘PICCovid – Uso de Práticas Integrativas e Complementares no Contexto da Covid-19’; especialista fala sobre o aumento na busca das práticas e como a modalidade pode ajudar

Desde que o coronavírus Sars-Cov-2 chegou ao país, em março de 2020, muita coisa mudou no que diz respeito aos hábitos dos brasileiros. E levando-se em consideração o fato de tratar-se de uma crise sanitária - que durante um grande período de tempo também foi acompanhada de uma crise hospitalar - o autocuidado da população também tem alterado-se ao longo dos últimos meses. 

De acordo com a pesquisa PICCovid Uso de Práticas Integrativas e Complementares no Contexto da Covid-19, divulgada em julho deste ano, mais da metade (61,7%) da população brasileira buscou terapias alternativas ao longo deste período de pandemia. A análise é resultado de uma parceria entre pesquisadores do ObservaPICS (Observatório Nacional de Saberes e Práticas Tradicionais, Integrativas e Complementares em Saúde) da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), do ICICT (Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde) e da FMP/Unifase (Faculdade de Medicina de Petrópolis), no Rio de Janeiro.

Entre outros pontos, o estudo demonstrou que 81% dos brasileiros recorreram às práticas integrativas em busca de bem-estar, ao passo que 15% dos participantes incorporaram as modalidades ao tratamento de doenças crônicas, como dores na coluna.

Ainda de acordo com o balanço, 25% dos entrevistados participaram de quatro ou mais categorias dentre as 29 PICs (Práticas Integrativas e Complementares em Saúde) reconhecidas e ofertadas pelo SUS (Sistema Único de Saúde), como apiterapia, meditação, aromaterapia, acupuntura, homeopatia e cromoterapia.

Na perspectiva do Dr. Jeferson Molina, responsável pela empresa Quantic Health, o maior acesso à informação pode estar por trás do aumento da busca por Práticas Integrativas e Complementares (PIC) durante a crise sanitária.

Durante o período de pandemia, muitas pessoas que não possuíam o hábito de usar as ferramentas digitais passaram a acessá-las. Consequência disso, também tiveram acesso a uma série de informações de um universo que caminhava paralelamente, porém com pouca visibilidade até então, reflete.

Segundo Molina, as medidas de quarentena e isolamento social contribuíram para que muita gente entrasse em um período de colapso emocional.

Com a descontinuação abrupta de rotinas de trabalho e estudo de forma presencial, milhões de cidadãos que ficavam mais de doze horas por dia fora de casa passaram a conviver com as famílias, analisa. 

Por que recorrer a terapias integrativas?

Na visão de Molina, há uma tendência na busca por terapias não-convencionais. Via de regra, a fala de  todas as pessoas que chegam às terapias é estamos cansados de abafar os sintomas. As práticas integrativas veem o sintoma e a queixa como um acesso à busca pelo atendimento, mas o foco do tratamento é na causa, no sistema, no todo do indivíduo, no inteiro", afiança.

Para o especialista, as terapias podem ter ainda mais resultados quando o foco se concentra na causa e não no sintoma em si, já que, quando o cerne da questão é o sintoma, não se está fazendo investigação nem raciocínio clínico.

Quando focamos na causa, além da saúde do assistido, temos saúde para toda a família, já que avaliamos o sistema que ele habita, pontua. De acordo com Molina, para que um indivíduo alcance a harmonia, é preciso cuidar de todo o seu sistema, dando às pessoas aquilo que espera receber. Nisso, enquadram-se as práticas de bem-estar, seja no relacionamento, trabalho, núcleo de amizade e na família.

A busca pelo equilíbrio em todas as esferas é a melhor forma de gerenciar as nossas emoções. Nesta busca, nos libertamos de tristezas, raivas e melancolias, deixando nossa matriz leve, limpa e puramente saudável, completamente desprendida das culpas do passado, aquelas que somatizam e levam às doenças crônicas, afirma.

Para o especialista, a falta dos bons hábitos e de um estilo de vida saudável tem sido um dos agentes causadores das desordens que acometem as pessoas em seu dia a dia.

Neste período de pandemia, pudemos refletir sobre nossa vida e o que não gostamos nela, e sobre a necessidade de investir em nossa saúde física e mental para empreender a mudança de que tanto precisamos. A crescente busca pelas terapias integrativas é prova disso, o que deve continuar em uma crescente no pós-pandemia, conclui.

Para mais informações, basta acessar: http://jefersonmolina.com.br/site/



Website: http://jefersonmolina.com.br/site/

Este é um conteúdo divulgado pela empresa DINO - Divulgador de Notícias e não é de responsabilidade do Aprimoramente.

Gostou do artigo?

Compartilhe com quem você acha que se interessa por este assunto.

Quer se inspirar para aprender algo novo?

Veja nosso guia de cursos, eventos, professores, plataformas e instituições de ensino.

Ver o guia

Quer ver os artigos sobre educação do Aprimoramente?

Leia todos os artigos do Aprimoramente e autores convidados sobre educação e aprendizado.

Ler os artigos

Artigos Aprimoramente

Carregando...